BEM-VINDOS, TIJOLINHOS!

Vamos construir juntos esse espaço de convivência e troca de figurinhas sobre artesanato, cinema, livros, decoração, filhos, jardinagem, horticultura e tudo mais de bom que possa surgir!


quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Transpondo a fronteira / Concurso Cultural

Desde que estava beirando os 40 fiquei alimentando a idéia de fazer uma tatuagem... Isso dentre diversas coisinhas infantis ou hardcore que imaginava que uma quase "loba" deveria colocar na sua lista de excentricidades para celebrar a mudança:
- Saltar de pára-quedas (morro de medo de altura, nem pensar);
- Viagem incrível para um lugar místico, exótico, longínquo... (faltou planejamento, tempo e grana);
- Posar nua (ainda estava gordinha nesse tempo, só se fosse para uma revista de fetichistas de plantão);
- Fazer uma festa de arromba num buffet, só para adultos, para todos brincarmos nos brinquedos como crianças, sem filhos nos apontando o dedo e dizendo que estávamos pagando mico (essa quase rolou).

Acabou que rolou só um jantar, sem fuzarca nem extravagâncias de nenhuma espécie.
Mas a vontade de fazer uma tatuagem perdurava, só que duas amigas queriam porque queriam que fizéssemos juntas, que uma conhecia o tatuador ideal, blá-blá-blá... Dois anos se passaram e nada de combinar esse grande acontecimento, só promessas e sugestões de desenhos ideais. Acabou que minha irmã, que é fã de uma compra coletiva, me ofereceu um cupom pra uma tatoo pequena (ela já tem uma enorme, linda) e eu pensei seriamente no assunto. Para uma primeira vez queria algo simples, pois havia o medo da dor. Também queria algo significativo, pois eu levaria na pele para o resto da existência... Tinha também o local, em que parte do corpo seria? Imaginei pelancas encobrindo, manchas senis... A deteriorização do meu corpo precisava ser levada em conta! Fora os velhos lances de preconceito, não fazer em lugar muito visível, pra não causar má impressão, não parecer ex-presidiário, coisas assim.
Enfim, FUI! Sei lá se serei execrada pela blogosfera, deserdada pelos parentes magnatas, chutada pelas criancinhas do parque ou ridicularizada pelos undergrounds por não ter feito nenhuma caveira ou mensagem macabra, mas taí o processo:


Ombrinho virgem, expressão ainda serena...

Limpeza e desinfecção do local.

Aplicação do anestésico (estava ridícula minha expressão, precisei censurar).

Aplicando o decalque do desenho - suspense...

Dominando a ansiedade, respirando fundo... Conseguiram identificar o desenho?

Fim do mistério: quem aí sabe ler partitura?

A hora H! AHAHAHAHAHAHAHA!

Soprando pra aliviar a dor? Magina, tava dando beijinho na bichinha...

THE END, sem sangue, nem suor nem lágrimas! Também, uma coisa pitchutchutchuca dessas, dirão os bravos...

Oh, yeah, I can, I did!

Vremeinho, inchadinho, mas juro, não tava doendo!

Pensando nas próximas, hehehe...

Sério, que tal? Fiquei contente, portanto nenhuma opinião há de me abalar... Mas será interessante saber o que vocês pensam a respeito.

Até então só eu e a mana (a fotógrafa) sabíamos da decisão final. Todos na mais completa ignorância... TODOS!

Menos o Anderson, claro. Valeu, bro! Até a próxima...

Agora o concurso cultural, rs. Quem acertar a música que me inspirou a fazer a tatoo vai ganhar um mimo de minha autoria (já estou mais prendada, juro). Pra não deixar vocês tão no escuro, fica a dica: lembram do mural de quadrinhos inspirado nos meus filmes românticos prediletos que fiz para a parede do meu quarto? Pois é da trilha sonora de um deles... Lembram do QUAL É A MÚSICA? Pois é, no meu ombro só tem UMA NOTA! Vocês têm até a meia-noite do dia 22 desse mês pra matar a charada. Não vale para os familiares e amigos que já sabem! Boa sorte e até lá!

Beijos!

4 comentários:

Adriana Balreira disse...

Eu amei a tatoo. Não tenho e morro de vontade de fazer. Mas o medo da dor ainda me impede de fazer. Amei o desenho. Parabéns!
Quanto a cantiga no seu braço não tenho a minima ideia, fui lá no seu post e vou chutar grande: a musica do filme casa blanca.
Beijos
Adriana

Sherol Vinhas disse...

Menina!!!E hoje posso te chamar de menina messsmmmooo!!Ta nova, renovada, ta linda!!!!Eu já escolhi a minha tatu tem uns dois anos rsrs, ainda não fiz por falta de grana mesmo e (coragem) hehe ela é colorida tem uns arabescos e uma borboleta no meio, é grandinha pra mim, mas ainda vou fazer!!Dói muito nesta parte do ombro? Iria fazer no peito do pé mas me disseram que é o lugar onde mais dói, então estou pensando no ombro ou próximo da bacia, mas como será a dor...?hehe Olha...um feliz Natal pra você e sua familia linda, que Deus continue abençoando vocês e nos de a oportunidade de nos conhecermos pessoalmente no ano que vem, porque você é uma das minhas amigas blogstícas que mais tenho vontade de conhecer.
Fica com Deus minha linda e renovada amiga.

Edlena Franklin disse...

Adri e Sherol:
Pra essa minha tatoo até que a dor não foi grande. Não teve cores nem preenchimentos, então foi como uma caneta afiada arranhando. Pensei que iria pirar com o som da maquininha, pois tenho pavor de broca de dentista... Nem olhei durante com medo de ver sangue escorrendo, mas foi muito, muito simples porque foram só contornos em preto. Para as mais branquinhas deve ficar lindo colocar muitas cores, mas deve doer mais um pouco.
Sherol, valeu pelos elogios e adoraria mesmo te conhecer, bem como a Adri, que mora pelas minhas bandas e ainda não nos esbarramos, rs. Você esqueceu do concurso, mulher, cadê o chute da música? Beijos e até breve!

Veronica Kraemer disse...

Lena querida, eu ameiiiiiiiiiiii sua tatoo!!!
Aposto que qquer dia tu aparece com umas 3 mais!!!rsrsrsrs
Tu é jovem, iluminada, amei as fotos!
Eu gosto de tatoo mas nunca quis fazer...
Lena, obrigada sempre por seu carinho e sua amizade, tu és um doce de pessoa!
Te desejo um 2012 repleto de alegrias e realizações!!!
E que continuemos caminhando juntas!
Beijosssssssssss com carinho
Vero