BEM-VINDOS, TIJOLINHOS!

Vamos construir juntos esse espaço de convivência e troca de figurinhas sobre artesanato, cinema, livros, decoração, filhos, jardinagem, horticultura e tudo mais de bom que possa surgir!


terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Capítulo aleatório: A roça!

Oi, pessoal! Estou de volta de minhas férias e trago comigo boas lembranças, que faço questão de compartilhar com vocês... Tudo muito singelo, mas que me fez muito bem, renovando minhas baterias! Neste primeiro capítulo mostro imagens da roça do cunhado, cantinho verde e sossegado onde pousamos e fomos muito bem acomodados, recebendo tratamento 5 estrelas! Isso na roça significa: cama, comida, bebida, banheiro e prosa boa!
Umbuzeiro carregado, os frutos ainda verdes. Falam que é árvore que não se planta, demora a crescer e desenvolver, mas vive muito tempo e é podada naturalmente pelas cabras.

Mais pertinho, o umbu. Isso maduro dá um suco delicioso, do jeito que a Jussara do blog Palavras Vagabundas gosta.

Três estágios de laranja. As laranjas de lá são resultado de uns cruzamentos com limão e tangerina, o que lhes confere um sabor todo especial, um cítrico diferente.

Florzinha brejeira do mato.

Licuri, na linguagem local. Nunca comi dessas, mas soube que são deveras apreciadas por aqui... Maridex fala que era a "guloseima de menino pobre", que se refestelava quebrando e comendo os coquinhos. Nesse momento haviam dezenas de "sanharós" voando em volta desse cacho. Quer ficar doida é ter uma abelhinha dessas enroscadas no seu cabelo!

Esqueci o tipo dessa manga, iguaria plantada com devoção pelo cunhado.

A flor do maracujá é um espetáculo à parte...

Quiabento, planta espinhosa muito usada para reforçar as cercas, de forma a dispensar o arame farpado. O nome deve ser por causa do leite grudento que ele guarda.

Flores e frutinhos de romã, um show de cor!

Ata, pinha, fruta-do-conde... Interior da Bahia é pinha. Essa aí precisa amadurecer ainda.

Essa não vingou, endureceu e caiu. Quando criança eu brincava com elas, chegando a pintá-las e pendurando num galho seco que era nossa árvore de natal na época.

As siriguelas também estavam verdes... Se não fosse assim, eu não teria saído desse pé!

O tronco do pé de siriguela é altamente irregular, perfeito para improvisar "cadeirinhas" nos galhos mais confortáveis!

Mimo do céu enroscado na cerca.

Buganvília em meio a uma touceira...

Uma colmeia king size de "inxus", espécie de vespa danada que se aproveitou da ausência prolongada dos donos do sítio para se instalar dentro de um depósito de materiais...

Por fim, o cunhado provando do fruto da terra (coco verde ao natural). Agradeço de coração a estadia e em breve postarei novas imagens dos momentos mais marcantes da viagem.

Beijos a todos!

3 comentários:

Cintia Branco disse...

Edlena,

Quanta coisa diferente, mas parece ter sido delicioso.
Não sou muito de programações assim, prefiro locais com pouco acesso a natureza, rs, morro de medo de bichos, mas também tive uma aventura parecida, passei uns dias na fazendo, filhote é que adorou, tocou gado, pescou, andou a cavalo, maior festa e eu morrendo de medo das rãs, que saltavam quando menos se esperava, fala sério, sou um fiasco, rs.
Beijos

Neli Rodrigues disse...

Realmente 5 estrelas. Que roça deliciosa, qta coisa bonita de se ver e boa prá comer,rsrs.
Bjs♥

Palavras Vagabundas disse...

Querida,
senti o cheiro e o gosto do umbu daqui, ainda bem que ocê aproveitou bastante!
bj
Jussara